Bem CultQualidade de vida

Dias de chuva

“Escolher viver de forma
apressada é escolher se sabotar”

Há duas formas de vermos os dias de chuva. A primeira é como dias ausentes de cores e tristes. A segunda, seria reconhecermos a chuva como parte de um processo, o plantar, regar, colher e se fartar com o que se colheu. Existe um ditado que compara relacionamentos com um jardim que deve ser cultivado, protegido, admirado não só nos dias de sol ou quando as flores brotam. Todo jardim já viveu seus dias de chuva, mas nunca deixou de ser jardim e suas flores nunca decepcionaram quando a primavera chegava.

Somos seres sazonais. Temos nossas fases boas, nossas épocas de nostalgias, nossos “repentes“. O problema é que queremos colher tudo, mas sem ter que preparar a terra, plantar ou esperar pelas chuvas. Muita coisa é perdida se apressamos os processos, muita gente se perde pelo mesmo motivo. Pessoas e mais pessoas perdidas procurando se encontrar em outras tão perdidas quanto. O resultado disso é uma colheita de insatisfação. Precisamos destes processos, afinal, todos queremos colher! Fartura, seja de bens, saúde, alegria, paz. Que venha tudo! Como vivemos com pressa, raramente temos a visão total das situações que vivemos, e assim não entendemos a importância da chuva. Talvez não seja falta de entendimento. Pode ser uma escolha. Viver só é uma escolha, assim como viver com alguém.

Escolher viver de forma apressada é escolher se sabotar. Eu quero um relacionamento, mas não tenho tempo para esse relacionamento. Então quando acabar, porque vai acabar, só ficarão o começo e o fim. Mas se optarmos por viver com alguém e juntos passarmos pelos processos, no final, ou depois que as chuvas passarem, que permaneçam os motivos que nos alegraram juntos e não a justificativa para nos separarmos ou não. Isto também é conhecido como maturidade emocional, aquela que aproveita os dias de chuva para ter a liberdade de se viver com responsabilidade e respeitar o outro, quer ele esteja sob o mesmo teto, quer não.

Por: Cássia Freitas | Psicóloga
Postado por: Filipe Medeiros | Assessor de Conteúdo Multimídia da Cult

p1
Post Anterior

Pessoas felizes brilham

carta-1
Próximo post

Carta à professora que mudou minha vida

redação

redação

Nenhum Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>