Variedades

Mataboi Alimentos encerra processo de recuperação judicial

Aporte de recursos e know how da JBJ foram fundamentais para que a empresa se reinventasse

O Mataboi Alimentos, companhia de abate de bovinos e comércio de carnes, pertencente à JBJ Agropecuária desde o final de 2014, com unidades em Araguari (MG) e Santa Fé de Goiás (GO), chega ao fim de seu processo de recuperação judicial. A empresa ingressou com o pedido de recuperação há 6 anos, após dificuldades de renegociação de suas dívidas com bancos e fornecedores. Ao final de 2014, a JBJ Agropecuária adquiriu o Mataboi, assumindo uma dívida de R$ 480 milhões.

A chegada da JBJ trouxe uma nova perspectiva e esperança aos mais de 2.300 colaboradores e também ao Administrador Judicial Fernando Borges, nomeado para esta função, que já em 2016 relatava:

“A empresa reestruturou sua operação e ganhou eficiência em suas atividades no ano de 2015. São nítidos os resultados alcançados através do reequilíbrio entre receitas e despesas. Quanto à estrutura administrativa da empresa, a reestruturação empreendida pela nova gestão permitiu estabelecer novas perspectivas para o futuro. Essas frentes de trabalho permitem atacar simultaneamente diversos problemas setoriais, trazendo melhor desempenho aos processos da Recuperanda. Quanto às regiões onde estão instaladas as plantas industriais, a empresa está estrategicamente ao lado do pecuarista, o que lhe traz grande diferencial competitivo. No que tange aos colaboradores, a empresa vem realizando várias ações para diminuir a rotatividade de pessoal, inserindo em seu cotidiano melhorias nos programas contra acidentes de trabalho. A empresa tem investido em treinamentos e tem buscado agora reforçar seu código de ética e conduta.”

Estratégias adotadas

De acordo com diretor presidente do Mataboi, José Augusto de Carvalho Junior, o processo de recuperação da empresa tomou força em função das novas estratégias adotadas e à aplicação de esforços concentrados. “A chegada da JBJ fez tudo mudar. A ousadia do empresário José Batista Junior que, a despeito da situação pré-falimentar do Mataboi, adquiriu a empresa, aportou capital e deu uma nova vida à empresa em termos de profissionalização da gestão”, afirma José Augusto.

A JBJ trouxe não apenas capital para a retomada, mas também um novo formato de operação e valores comportamentais, aumentando a transparência junto aos credores e promovendo uma maior integração com todos os colaboradores. “Houve melhoria na infraestrutura, na produção e readequação de políticas comerciais, melhorando o faturamento e o resultado financeiro. A empresa também aumentou a participação no mercado internacional, conseguindo habilitações em novos países e mercados. Beneficiado com a alta do dólar houve crescimento no volume de carne exportada. Atualmente, cerca de 70% da produção é destinada ao mercado internacional”, conta o presidente.

Desafios

De acordo com José Augusto, o Mataboi vinha perdendo fôlego desde a aprovação da recuperação judicial. “Em 2014 houve uma entrada forte de capital, proveniente a créditos fiscais, mas não foi suficiente para que a empresa conseguisse enfrentar a situação que se deteriorava. A única solução que poderia viabilizar a continuidade da operação seria a venda de participação acionária, mas também muito difícil, pois pouca gente se aventurava a ser sucessor de tantos problemas”, explica.

José Augusto conta ainda que além dos fornecedores restringirem o prazo de pagamento e os bancos não concederem empréstimos, o mais difícil em uma recuperação judicial é fazer frente às novas obrigações e ao mesmo tempo manter em dia o parcelamento  das dívidas do passado. “Isso onera demais a empresa que, sem novas linhas de financiamento, muitas vezes não consegue sobreviver”, diz.

Outro desafio enfrentando, já na nova gestão, foi em meados de 2016, quando um incêndio destruiu boa parte da unidade em Araguari, descapitalizando a empresa em mais de R$ 70 milhões e reduzindo seu faturamento na ordem de R$ 500 milhões naquele ano.

O fim da recuperação judicial, bem como a reconstrução do Mataboi após o incêndio, não teriam acontecido se não fosse a total dedicação dos funcionários. “A possibilidade do fechamento do Mataboi gerou uma grande comoção, tanto no momento do pedido da recuperação judicial, quanto na época do incêndio. Felizmente, conseguimos manter os empregos durante todo este período. Temos colaboradores que estão no Mataboi há anos, vários têm filhos e até netos na empresa. Graças à aquisição da JBJ, o Mataboi conseguiu se manter no mercado, preservar os empregos e se destacar no setor de processamento de carne. Sem a JBJ, o Mataboi não existiria mais”, enfatiza José Augusto.

 

Mataboi em números:

 

Área total unidade em Araguari: 23 mil m²

Área total unidade em Santa Fé de Goiás: 30 mil m²

 

Geração de empregos: 2.300

 

Dívida 2014 (anterior à aquisição da JBJ): R$ 480 milhões

Dívida junho 2017: R$ 281 milhões

 

Faturamento bruto mercado interno

1º semestre 2016: R$ 306 milhões

1º semestre 2017: R$ 344 milhões

 

Faturamento bruto mercado externo

1º semestre 2016: R$ 440 milhões

1º semestre 2017: R$ 590 milhões

 

Faturamento líquido total

1º semestre 2016: R$ 728 milhões

1º semestre 2017: R$ 908 milhões

 

Faturamento estimado em 2017: R$ 2 bilhões

 

Volume de carnes e miúdos: 12 mil toneladas/mês

 

Investimento estimado em 2017: cerca de R$ 12 milhões

 

Capacidade: 2 mil cabeças/dia

 

Exportações

Início das exportações: 1991

Primeiro semestre de 2017: US$ 185 milhões

Primeiro Semestre de 2016: US$ 118 milhões

 

Market Share de exportação: 7,2%

hospital-do-cancer
Post Anterior

“Prosa Pela Vida” chega a Coromandel para falar do Hospital do Câncer em Uberlândia

Simposio
Próximo post

Simpósio de Oncologia traz a Uberlândia profissionais de renome nacional com novidades e atualizações sobre tratamentos do câncer

Serifa Comunicação

Serifa Comunicação

Nenhum Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>